Uma noite quente, como a maioria das noites nessa cidade requentada e sem tempero. Uma saída para comprar cervejas e qualquer outra coisa que desse sentido a uma vida tão sem sentido, uma vida sem sentido como qualquer dessas avenidas mal-sinalizadas e com pobreza e miséria a dar e vender. Silêncio, luzes de postes. Pisca, pisca, pisca. Pisca a noite com carros de polícia a fazerem ronda. A segurança está garantida. A segurança de quem? Me pergunto… Anda, anda, anda. Os postos de gasolina trazem a marca do combustível que pode abastecer nossa noite. Caro, caro, caro. O dinheiro não compra mais o mesmo que comprava há um ano. Tudo está caro. Compra, compra, compra. Temos que beber. Há sentido nessa vida? Será a discrepância psíquica o sentido? Cadê, cadê, cadê? Bebemos e o sentido continua o mesmo: o nada para o nada em direção, sempre, ao nada. Nada, nada, nada. Caminhamos. Uma blitz pára os carros.
– Pára, pára, pára. Encosta, encosta, encosta.
– Ahn. Como assim?
– É isso mesmo, vocês, agora, encosta, encosta, encosta.
Encostamos, não somos carros, não somos motos, mas encostamos. Dos carros ninguém desce, ninguém é revistado. “CNH, senhor.” “Aqui está.” “Pois não, tudo certo, pode seguir, obrigado, boa noite.” E nós? Nós “é” isso. Revista, revista, revista. Baculejo, baculejo, baculejo. Mãos na cabeça. O policial começa. Começa “puliça”. O que se vê a seguir é a descrição erótica do crime de viver. Mãos na cabeça. O “puliça” começa. Mãos deslizam com uma suavidade bruta pelos cabelos, baixa meus braços, alisa minha cabeça suavemente. Desce. Desce, desce. Vai para debaixo dos braços. Tapinhas afáveis e amigáveis vão acariciando a pele. Chegam à cintura. Nada do que ele desejava encontrar estava ali. Acima da cintura? Nada. Desce, desce, desce. O acariciar da cintura, o vai e vem das mãos, esquerda, direita, frente e verso, é isso que eles querem? Desce, desce, desce. Chegam à região tão guardada desde anos de viver. Guardada para amores, para rancores, para dores. Ele pega por baixo e por trás, mas a intenção é alcançar a frente. Milimetricamente, por milissegundos. É isso. Alcança, vagarosamente, os dois bagos que guardam minha potencial prole, suavemente subindo com as mãos os alcança. Bate de forma bruta. Suave, mas bruta. E é isso, sossegado por conferir que meus bagos estão no lugar, que posso manter minha prole em segurança e para todo o resto da pífia vida humana, o incauto ser continua o processo erótico de verificação da segurança de nossas vidas. Desce, desce, desce. Terá gostado do que sentiu? Mas desce, desce, desce.
– É apenas rotina, senhor.
Coxas, coxas, coxas.
– Satisfeito?
– Não, não, não.
Joelhos, canelas e por que não olhar para os glúteos? Desce, desce, desce.
– Acabou, senhor!
Viro-me e vejo meus camaradas passando pelo mesmo processo. É. A promiscuidade na polícia é assim mesmo. Não sou o único. Eles querem tudo, todos e todas. E os baculejos continuarão, porque, afinal de contas, o que importa é a satisfação erótica da segurança nacional.

Anúncios