A gente disfarça, olha pro lado, vai a um bar, pega um cinema, lê um livro. Conversa com um amigo. Ignora o suspiro. Mas, amigo, amigo, amigo, saudade não tem remédio, saudade não tem como abafar. Bate forte. Silencia a alma. Dá um nó na garganta. O jeito é se entregar às lembranças. Pegar um lápis, um caderno, jogar palavras ao léu. Catar pedras e atirar no mar. O jeito, amigo, é jogar a saudade para o ar.

Anúncios