março 2013


despedida sem adeus
embarque sem estação
ausência sem distância

palavras silenciosas
le temps détruit tout

Quem te deu a espada de Dom Quixote
e a permissão para matar gigantes?
Quem te apontou os moinhos
E te deu a benção para seguir adiante?

Arregimentas uma legião de Sanchos
Cegos, ingênuos e sedentos
Iludidos por tuas promessas

Quando te questionam
Levantas a voz, ergues o dedo aos céus
Vociferas frases de livros
Valentes cavaleiros que mataram gigantes

Qual o teu futuro, Dom Quixote
Em uma terra onde não vês os moinhos?

Com sua pretensão
De bom entendedor
Abria o outro à navalha
Crua a carne
Exposta
Dissecava o cérebro
De si nada dizia
Rasgava a carne do outro
E isso lhe satisfazia

Um muro caindo aos pedaços
Beirava um largo passeio
Passavam trabalhadores,
Estudantes e vagabundos

No muro torto, pintaram figuras
Rabiscaram poesias
Mas o muro era torto, e caía aos pedaços
Caiu o muro, feriram-se os passantes

Bloqueou-se o passeio

Vou ficar velho

– Se o trem desenfreado do tempo
não me encurtar os dias –

Velho

Essa velhice
Que meus olhos jovens admiram
e temem

A pele enrugará, naturalmente
Os cabelos? Que fim terão?

Ficarei velho
A experiência, dizem, é um prêmio

Posso contar os dias que me faltam para ficar velho
Muito embora não os tenha

Sinto um cheiro forte entre os que me rodeiam
E movimentos rápidos, e angústia
É o cheiro do medo, do temor
O temor de ficar velho

Bichos acuados, temendo o tempo
Se dizem livres… Querem ser livres
Queremos!

Mas não sabemos nos livrar do tempo

E então, com força, toda força
O tempo nos consome, nesse temor
– se alimenta do temor –
De ficarmos velhos

Se o trem desenfreado do tempo
não me encurtar os dias

Viverei velho!

Boa pinta
Cordial
Poeta

Fingidor

Quem nessa vida
Não se pinta
De maquiagem
ou de mentira?

Defronte o espelho, aparecia nua.
Via-o ao longe, vestido. Aproximou-se. Começou a despi-lo. Peça por peça.
As roupas acumulando-se ao redor. E cada vez mais peças.
Desesperava-se. Só poderia ser um sonho. Ele nunca chegava à nudez.
Acordou esbaforida. Ao seu lado o hálito quente dele. Respiração suave.
Dormia.
Ele nunca chegava a nudez.

Próxima Página »