Vou ficar velho

– Se o trem desenfreado do tempo
não me encurtar os dias –

Velho

Essa velhice
Que meus olhos jovens admiram
e temem

A pele enrugará, naturalmente
Os cabelos? Que fim terão?

Ficarei velho
A experiência, dizem, é um prêmio

Posso contar os dias que me faltam para ficar velho
Muito embora não os tenha

Sinto um cheiro forte entre os que me rodeiam
E movimentos rápidos, e angústia
É o cheiro do medo, do temor
O temor de ficar velho

Bichos acuados, temendo o tempo
Se dizem livres… Querem ser livres
Queremos!

Mas não sabemos nos livrar do tempo

E então, com força, toda força
O tempo nos consome, nesse temor
– se alimenta do temor –
De ficarmos velhos

Se o trem desenfreado do tempo
não me encurtar os dias

Viverei velho!

Anúncios