dezembro 2008


e, embora pareçamos andarilhos sem rumo
um dia veremos que apenas crescemos o bastante
a ponto de não enxergarmos mais as raízes que
ora nos prendem, ora nos alimentam

Anúncios

ele: é isso!?
ela: sim, é…
ele: tem certeza?
ela: não, mas… é o certo, não é!?
ele: não sei… diria que não… mas você me confunde…
ela: se não for, descobriremos.
ele: poderá ser tarde.
ela: já é tarde.
ele: sim… é.
ela: então… vamos?
ele: …
ela: bom, posso te deixar aqui, por mais um tempo, ruminando rumores e humores…
ele: hum…

andarilho da estrada que leva ao nada
enxerguei no caminho saídas tangentes

entrando em umas
desvencilhando de outras

segui em frente

hoje vejo que todas aquelas saídas
convergem para a mesma estrada
a estrada que leva ao nada

onde andarão as manhãs nervosas
que alimentavam a alma
que traziam o desejo da eternidade

o vazio interior
obcecado por descobertas

onde andarão
os irmãos de mãos dadas
vociferando esperanças
acalentando as angústias

num vórtice ensandecido
de ilusões malfadadas
é aí que estão
é aí que estamos

gabriel fernando