novembro 2012


palavra que pesa
palavra que flutua

palavra que atravessa
palavra que segura

palavra que acerta
envolve, prende, perturba

palavra que delicia
encanta, suspende, inebria

e o silêncio que diz tudo

Anúncios

Não se chora mais. A cidade toda fez um acordo velado. Estão proibidos choros, reclamações, caras tristes, melancolia. Há um bom tempo que todos são felizes. Qualquer demonstração de tristeza incorre em ato corretivo imediato. Para tanto, todos os laboratórios estão empenhados em produzir as pílulas que garantem a felicidade constante. Sim, o famoso ‘soma’ está à disposição. Os boatos de que pessoas inconformadas margeiam a cidade não fazem sentido. Como alguém poderia abrir mão da felicidade para viver à margem? Marginais da felicidade? Isso não lhes soa bastante cômico? É exatamente isso. Tais histórias são falsas e podem ocorrer em momentos de dificuldade de absorção do ‘soma’. Não se preocupem. Indiquem os colegas que exibirem tal comportamento ao Setor de Tratamento Intensivo Pró-Felicidade. Eles estão habilitados a ajudar qualquer um de vocês. Mantenham-se vigilantes, para que a tristeza jamais volte a ocorrer nesta cidade.

Tinha espaço entre as mãos. Espaço grande. Cabia o mundo naquelas mãos. Mas seus dedos desejavam os cabelos lisos dela, os pequenos dedos dela. Seus olhos, amendoados, podiam ver tudo, mar a mar, e mais mar. Mas eles só almejavam os pequenos olhos brilhantes dela, e o sorriso que o desconcertava. Seus pensamentos poderiam viajar o universo em uma lasca de tempo, mas em todo astro esbarrava com ela – a extraordinária força de sua existência em cada mínima demonstração de energia do universo. – Seu tempo, efêmero e tão infinito, permitiria mil existências, mas nenhuma delas parecia fazer sentido, sem a existência dela.

Passaram os tempos?
Que dia seria hoje?
Te vejo fria, na janela
Que dia será hoje?
Teu sorriso, flácido
Era ontem?
Cantamos, dois jovens
Mas não sei se é amanhã
Te vejo perdida
Ou terei eu perdido a hora?
Não sei se somos tu e eu
Ou apenas uma sombra
Do relógio de sol
Talvez não seja
Nesse querer ser
Nem hoje, nem ontem, nem amanhã
Agora, não faz sentido
Se já passou
Mas nada está perdido
Se ainda não foi